frases de engate memoráveis (é isto, não é?)

.
You know you don't have to act with me, Steve.
.
You don't have to say anything, and you don't have to do anything.
.
Not a thing.
.
Oh, maybe just whistle.
.
You know how to whistle, don't you, Steve?
.
You just put your lips together and blow.
.

Marie 'Slim' Browning (Lauren Bacall) para Harry 'Steve' Morgan (Humphrey Bogart)

To Have and Have Not de Howard Hawks, 1944

3 comentários:

Mirian Tavares disse...

Sem palavras... esta é mesmo TERRIFIC!!! Como diria Guattari, o cinema se converteu no divã da actualidade, prazer e catarse. Sublimação ... (será que citar o Guattari é subir o nível? ;-)

anabela moutinho disse...

ahahahha. sabes que foi mesmo isso («será que citar o Guattari é subir o nível?») que me lembrei à medida que ia lendo o teu comentário? lol!

quanto ao que diz guattari, e cruzando com o que deleuze disse na citação que o artur dele fez, acho que o cinema - e tiradas como estas - se converteu em mecanismos de compensação, algures no espaço ocupado pelo intervalo entre a imagem-tempo e a imagem-movimento. o que não deixa de ser interessante no sentido em que deleuze falava de cinema enquanto experiência óptica, e guattari - aplicado a esta tirada - de cinema enquanto experiência verbal.

pelo que se pode (pode?) inferir que, de uma forma ou da outra, o cinema faz tanto parte das nossas experiências de vida quanto a vida que nos permitimos ter com ele.

numa palavra só: a lauren bacall era boa como o milho

Artur Ribeiro disse...

Só um esclarecimento: a minha citação do Deleuze foi absolutamente aleatória como acho que o que ele escreve é também absolutamente aleatório, um bom exercício, se quisermos, de improvisação jazzística cine-filosófica... Há quem não consiga apreciar os filmes só pelo que eles são e precisa de discorrer tomos insuportáveis que depois obrigam os estudantes de cinema a ler, castrando toda e qualquer inspiração que tenham para fazer cinema e acabando com o cinema que temos... :) Os alunos das escolas de cinema, que usam e abusam do Deleuze, quando vão filmar ficam bloqueados sem saber onde colocar a câmara, pois têm dúvidas se o plano que estão a fazer é uma imagem-tempo ou uma imagem-movimento... A todos eles aconselho a resposta do David Mamet a quando lhe perguntam onde é que é para pôr a câmara: "Over there!" :)