interrompendo o fluxo da escrita mais um nikito



rita hayworth e glenn ford em gilda, de charles vidor, 1946

(pus mais pequenino... :-((( fica tãooooo pequenino... snif....

12 comentários:

anabela moutinho disse...

(posso pôr do do tamanho do bande à part?... sim...? (olhar à bambi)

Mirian Tavares disse...

pode ,pode ;-)

anabela moutinho disse...

deixa lá ver se comovo mais alguém; se sim, ponho maiorzinho YESSSSSS

Artur R. disse...

Põe do tamanho que quiseres, a ver se eu me importo... :)

Artur R. disse...

... a ver se me importo que isto fique feio como tudo, sem leitura, um absoluto caos em que já não se encontram os posts, em que em vez de se comunicar por textos e ideias é só o facilitismo de posts You Tube -- MORTE AO YOU TUBE! :) Isto para mim já não é blog é uma feira, uma algazarra de imagens e sons que destroem o valor das mesmas imagens e sons... OK, confesso, estou mal disposto, a escrever um trabalho sobre meta-operatividade e a odiar o dia em que os críticos e filmosóficos nasceram... um dia vou colocar aqui um post a sério sobre o ensino de cinema, mas isto só depois de acabar a licenciatura...

Artur R. disse...

Reflecti um pouco mais porque me insurgo tanto contra os posts de clips de video You Tube e percebi realmente porquê. É que postar clips de cenas de filmes que gostamos se por um lado é um acto preguiçoso é por outro lado um caminho infinito, e aliás (apesar de ter pouca experiência de blogs) por aqui se vê o caminho que o blog está a seguir, em vez de reflexões ou mesmo notícias, comentário sobre e a coisas ligadas ao cinema, desde que se começou a colocar YouTubes agora é só YouTubes atrás de YouTubes e o perigo (ou não tanto o perigo, mas o que é pena) é que esse caminho é infinito, não necessita de grande reflexão e tornar-se (pelo menos para mim) entediante. Se agora começar a postar para aqui clips de filmes que eu gosto e cada um o fizer isto ainda se pode chamar blog ou passa a ser Video-Jockey intelectual? :) Pronto, não digo mais nada, prometo, (alguém ainda me vai mandar criar um Blog só para mim, mas confesso que a única coisa que estava a achar piada nisto era de facto as trocas de ideias (e não um blog de um só um umbigo -- uma troca de umbigos, por assim dizer), mas como não quero também ir contra o prazer que aparentemente o resto dos bloguistas têm em descarregarem para aqui os YouTubes, retiro-me airosamente, e muito obrigado por este bocadinho -- não vos chateio mais.

Artur R. disse...

Afinal ainda há mais uma coisa... :) Por exemplo, para mim foi muito mais interessante ler a descrição da Mirian da cena da Rita Hayworth do que ver a cena aqui no clip de video -- na melhor hipótese seria o seu post inicial fazer-me ir rever o filme. Mas sobre isso, a diferença entre o fazer o post da cena ou descrever -- e porque é que o descrever para mim neste contexto é mais interessante -- toca numa coisa que um senhor chamado Michael Baxandall escreveu num livro intitulado "Patterns of Intention" que fala precisamente sobre isso (apesar de no caso estar a falar de pintura mas pode ler-se na mesma traduzinho picture para "filme" ou cena de filme). Aqui vai:

"What one offers in a description is a representation of thinking about a picture more than the representation of a picture. And to say we 'explain a picture covered by a description' can conveniently be seen as another way of saying that we explain, first, thoughts we have had about the picture, and only secondary the picture".

Mirian Tavares disse...

Vejo que a indisposição provoca boas discussões :-) E que ter que fazer seja lá o que for, acabar uma licenciatura e pensar sobre a meta-operatividade ou escrever um texto para um colóquio, coloca-nos na situação de fuga ideal para pensarmos sobre outras coisas. Para nos desviarmos. E, como sou amante dos desvios, espero continuar a ver textos teus aqui,Artur, apesar do you tube ;-)
Concordo que o you tube reflete, em meu caso, preguiça. Em alguns casos não. ás vezes é a vontade de dividir com alguém algo que nos toca. Ver junto, mesmo a distância. Sem excessos, e sem que esqueçamos dos textos e das exibições de umbigos... ou trocas, ou whatever...

anabela moutinho disse...

grande artur! adorei! (a sério, sem qualquer ponta de ironia)

bem, se tenho a tua benção, mesmo que irritada, vou por o tube maior sim. :- ) se pudesse punha do tamanho todo do ecra, tipo a ver um dvd no cpt, topas? mas não dá.

é isso cinema? não é. mas também não é rothko a reprodução que tenho ali num livro? não. e é. donde...

por outro lado: preguiça? pode ser. ou não. exemplo: não basta um extracto, uma cena, uma sequencia, para nos pôr a discutir, falar, analisar? seja em conversa de amigos no intervalo de uma sessão de cinema, seja no meio das nossas sardinhadas? então... porque nao o fazer num blog? usando o extracto em causa?

terceiro: e eu a pensar que o final daquele tube iria fazer prosseguir a conversa sobre femmes fatales, machismo no cinema, estereotipos sociais, eu sei lá... aquela lambada deve ter provocado um orgasmo à mulvey!

quarto: preferes a descrição escrita de uma cena do que a sua visualização? eia, que para realizador de cinema tão arredio da teorização, foi uma surpresa para mim!

quinto: mas quem te diz que lá pq se poe tubes já nao há trocas de ideias sobre eles? :|:|:| como explicas então que haja posts escritos que não motivaram trocas de ideias nenhumas?

sexto e último: este blog é aquilo que cada um dos seus autores desejar que ele seja. acho péssimo estabelecer regras consoante o nosso próprio entendimento; para tal, concordo contigo, faríamos os nossos próprios blogs. oh artur, deixa lá estar isto assim como está, que está tão giro, diversificado, variado, seja em termos de registos, de tipos de abordagem, daquilo a que se recorre, etc! que achas?

beijo forte, ganda seca que essa licenciatura tá a ser, hein??

rf disse...

concordo ctgo em quase tudo artur, se bem que tenho d dar a mão à palmatória da "chefinha" :) Anabela acerca da diversificação e do aproveitamento das diversas linguagens que estão ao nosso dispôr enquanto bloggers, para enfim nos expressarmos... sobre cinema.

Caber-te-á a ti,e a nós a luta contra a preguiça e a transposição literária do cinema e das nossas imagens e teorizações cinematográficas :)

Chefe, assim cmo não que a coisa, o tamanho não importa muito dado que a janela do youtube pode ser ampliada para full screen como sabes, embora com a consequente perda de qualidade de imagem (tvez por isso prefira os tamanhos mais pequenos quando uso youtubes)...
beijinhos

marina disse...

bem, que animação que vai para aqui. uma pessoa afasta-se dois dias para ir em busca da california profunda e quando volta é isto..
se me perguntarem, eu também dispenso os youtubes. mas ter visto o do bande apart deu-me grande prazer, por isso tenho de concordar com a anabela, o blog é de todos (como o ar) e, por isso, cada um põe lá o que quiser, com a variante se não quiser pôr nada, não põe.
é a loucura total, a feira, o arraial, o manjerico e as sardinhas.

rf disse...

e ainda há quem lance os foguetes e apanhe as respecivas canas....